Olhe para cima fazendo melhores escolhas aborda a questão da responsabilidade que cada um de nós tem na mitigação da mudança climática. Neste artigo vamos aproveitar a “onda” do filme e apresentar algumas tendências para ficar de olho em 2022. Com isso você também poderá contribuir, fazendo a sua parte (melhores escolhas).

Não olhe para cima

É claro que o título deste post é uma referência ao recém lançado filme da Netflix chamado “Não olhe para cima”. A mensagem do filme, que é uma sátira política, aborda a desilusão da comunidade científica na classe política, bem como a inércia de ações para evitar o “fim eminente”. No entanto, se você assistir novamente o filme, ira perceber que muitos cidadãos, de posse da informação, também não tomam ações para mudar o curso da história.

Olhe para cima fazendo melhores escolhas trata, então, de uma reflexão sobre as nossas ações e responsabilidades sobre a temática da mudança climática. Assunto esse, abordado há muitos anos pela comunidade científica e que já temos conhecimento (informação) do que precisa ser feito como:

  1. Evitar o uso de plástico;
  2. Buscar formas alternativas aos combustíveis fósseis;
  3. Reduzir o uso do carro para se deslocar;
  4. Consumir produtos sustentáveis;
  5. Diminuir o consumo de carne e leite.

Parece simples, mas não é. Porém, todos temos uma parcela de responsabilidade (comum, porém diferenciadas) e, caso não conheça, bom ler e refletir.

O princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas

O princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas é um dos compromissos estabelecidos na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e consagrado na Rio-92. Ele trata que as Partes (países) devem proteger o sistema climático em benefício das gerações presentes e futuras com base na equidade e em conformidade com suas respectivas capacidades. Porém esse princípio não se aplica somente a decisões políticas, mas a todos nós.

Cada um de nós, como marcas ou consumidores, tem responsabilidade de fazer o melhor possível, tendo a informação científica do que está acontecendo na questão da mudança climática. São ações, nem sempre simples e baratas, mas que devido a nossa rotina ou comodidade, não fazemos. No fim, tudo fica como sempre está e o tempo vai passando, como no filme que deu origem a este artigo.

Olhe para cima fazendo melhores escolhas

A COP26 realizada em novembro de 2021 em Glasgow na Escócia trouxe algumas tendências para o ano de 2022 no tema ESG que vamos pontuar abaixo e é bom você “ficar por dentro”:

1. A corrida para o “carbono zero”

A corrida para o “carbono zero” ou “compensação de carbono” é uma das maiores tendências para 2022. Muitas empresas já entenderam seu papel de protagonismo e vão atuar na quantificação de suas emissões de gases de efeito estufa (GEE), redução e posterior compensação delas. Será cada vez mais comum encontrar produtos e serviços “carbono zero”, mas é preciso estar atendo ao “greenwashing“.

2. Avanço na agenda ESG

Há uma expectativa que 2022 consolide ainda mais o termo, o ESG tende a se tornar um dos maiores critérios na decisão de compra (e investimento) nos próximos anos. Assim, as empresas que não estiverem com uma agenda ESG ativa tendem a perder valor de mercado, se tornando cada vez menos relevantes. Lembrando que a sigla ESG (Environmental, Social e Governamental) pode ser definida como um conjunto de iniciativas adotadas pelas empresas para cuidar do meio ambiente, promover impacto social positivo e ter uma conduta corporativa ética.

3. Cuidado com o “Greenwashing”

Tanto o consumidor quanto os investidores estão cada vez mais atentos as iniciativas “sustentáveis” das empresas que só servem para “publicidade”, ou seja, sem efetivamente contribuir na agenda ESG da marca. Neste quesito a transparência das ações é uma tendência clara, entregando ao mercado a confiança que a empresa está realmente empenhada em fazer sua parte. Quanto mais transparência, maior a confiança e, consequentemente, melhora-se a reputação da marca com o passar do tempo.

4. Diversidade

A diversidade nas empresas ganhará cada vez mais força, pois é um tema que o consumidor brasileiro está atento. Para as empresas que efetivamente trabalharem esta questão e “mostrarem” aos seus consumidores seu compromisso, há um enorme ganho em termo de valor de marca (reputação).

A eumostro promove melhores escolhas

A eumostro, desde antes do filme ser lançado, ajuda os consumidores, mercado e colaboradores a entender todo o impacto positivo das empresas em sua cadeia de valor. Com isso, cabe a cada um de nós, que tem acesso a informação no momento da decisão de compra (ou descarte) fazer melhores escolhas. É importante que você opte em adquirir de marcas com propósito e agenda ESG definida. A marca não precisa ser perfeita (quase nenhuma é), mas é importante que elas estejam no caminho certo.

Ao contrário do filme onde muitas as pessoas “negam” as informações científicas divulgadas em diferentes meios de comunicação, a mudança climática está se intensificando. Sabendo (e acreditando) disso temos uma escolha: optar em não fazer nada, deixando somente para a classe política tomar as decisões por nós (spoiler: não é a melhor escolha) ou agir agora. Busque consumir de empresas que estão fazendo algo melhor para o planeta e nossa sociedade e, nada melhor que conhecer e acompanhar a agenda ESG, para saber disso.

Fale com sua marca para entrar na eumostro. Aqui ajudamos elas a se diferenciarem em um mercado onde, infelizmente, o “greenwashing” ainda ocorre com frequência